Quinta-feira
15 de Abril de 2021 - 

Intranet

Clientes / Advogados

Notícias

Boletins

Assine e receba nossas atualizações jurídicas

Bolsas de Valores

Bovespa 0,92% . . .
Dow Jone ... % . . .
NASDAQ 0,02% . . .
França 0,43% . . .
Japão 1,86% . . .
S&P 500 0,31% . . .

Cotação de Câmbio

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,69 5,69
EURO 6,82 6,82
IENE 0,05 0,05
GUARANI 0,00 0,00
LIBRA ES ... 7,85 7,85
PESO (ARG) 0,06 0,06

Webmail

Institucional / Colaboradores

Previsão do tempo

Hoje - Brasília, DF

Máx
28ºC
Min
16ºC
Poss. de Panc. de Ch

Sexta-feira - Brasíli...

Máx
28ºC
Min
16ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Niterói, RJ

Máx
27ºC
Min
22ºC
Parcialmente Nublado

Sexta-feira - Niterói...

Máx
28ºC
Min
22ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - São Paulo, SP

Máx
25ºC
Min
15ºC
Parcialmente Nublado

Sexta-feira - São Pau...

Máx
26ºC
Min
15ºC
Nublado

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
27ºC
Min
22ºC
Parcialmente Nublado

Sexta-feira - Rio de J...

Máx
28ºC
Min
22ºC
Parcialmente Nublado

Tribunal mantém condenação de réu por lesão corporal e ameaça contra companheira

 Embriaguez não exime a responsabilização criminal.   A 16ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve a condenação de um homem por ameaçar e causar lesão corporal em sua companheira. A pena foi fixada em 2 anos e 6 meses de detenção, em regime inicial semiaberto. Consta nos autos que o casal estava em união estável há 13 anos. Em determinado dia o réu chegou em casa embriagado, ofendeu verbalmente a mulher e a agrediu fisicamente. Além disso, apontou uma faca de cozinha para ela, dizendo que iria matá-la. O filho do casal precisou buscar ajuda na base da polícia militar. Segundo o relator do recurso, desembargador Osni Pereira, a responsabilidade criminal do apelante foi demonstrada “de forma cabal e incontroversa” e “não se há falar, portanto, em fragilidade probatória”, devendo a sentença condenatória ser mantida. O magistrado destacou que foram considerados para a fixação da pena os maus antecedentes do réu e as agravantes de reincidência e futilidade. Osni Pereira ressaltou que a defesa não comprovou que o homem seja dependente químico por uso de bebida alcóolica ou que sofra de alguma doença mental. “A embriaguez voluntária não exime a responsabilização criminal do ora apelante, vez que somente a advinda de caso fortuito ou força maior tem força para tanto e desde que comprovada pela defesa, o que não ocorreu.” Participaram do julgamento os desembargadores Otávio de Almeida Toledo e Guilherme de Souza Nucci. A votação foi unânime.   Apelação n° 0000298-66.2017.8.26.0593     imprensatj@tjsp.jus.br     Siga o TJSP nas redes sociais: www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial
01/03/2021 (00:00)
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitante nº  2551892
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.