Domingo
17 de Janeiro de 2021 - 

Intranet

Clientes / Advogados

Notícias

Boletins

Assine e receba nossas atualizações jurídicas

Bolsas de Valores

Bovespa 0,92% . . .
Dow Jone ... % . . .
NASDAQ 0,02% . . .
França 0,43% . . .
Japão 1,86% . . .
S&P 500 0,31% . . .

Cotação de Câmbio

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,27 5,27
EURO 6,37 6,38
IENE 0,05 0,05
GUARANI 0,00 0,00
LIBRA ES ... 7,16 7,16
PESO (ARG) 0,06 0,06

Webmail

Institucional / Colaboradores

Previsão do tempo

Hoje - Brasília, DF

Máx
25ºC
Min
18ºC
Pancadas de Chuva

Segunda-feira - Brasí...

Máx
27ºC
Min
18ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - Niterói, RJ

Máx
32ºC
Min
25ºC
Pancadas de Chuva a

Segunda-feira - Niter...

Máx
33ºC
Min
25ºC
Poss. de Panc. de Ch

Hoje - São Paulo, SP

Máx
29ºC
Min
21ºC
Pancadas de Chuva a

Segunda-feira - São P...

Máx
30ºC
Min
21ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
32ºC
Min
25ºC
Pancadas de Chuva a

Segunda-feira - Rio de...

Máx
33ºC
Min
25ºC
Poss. de Panc. de Ch

Presidente do STJ deixa preso suposto líder de grupo envolvido em golpes em leilões pela internet

​Um homem acusado de liderar organização criminosa que promovia golpes em leilões virtuais teve pedido liminar de relaxamento da prisão preventiva negado pelo ministro Humberto Martins, presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Para o ministro, não foram demonstradas ilegalidades que justifiquem, neste momento, a concessão da liberdade. De acordo com as investigações, a suposta organização criminosa utilizava sites fraudulentos de leilões para praticar os delitos. Segundo os autos, as vítimas arrematavam veículos nesses sites e, após realizarem o pagamento dos valores, elas perdiam o contato com o leiloeiro e não conseguiam efetivar o contrato de aquisição dos bens.  Os investigados são suspeitos de crimes como estelionato, organização criminosa e lavagem de dinheiro. Novos crim​​​esNo pedido de habeas corpus, a defesa alegou que não teriam sido cumpridos os requisitos necessários para a decretação da prisão preventiva, nos termos do artigo 312 do Código de Processo Penal. A defesa também apontou a ocorrência de excesso de prazo na custódia cautelar. Em sua decisão, o ministro Humberto Martins lembrou que, ao manter a prisão, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais entendeu que a custódia estava fundamentada em um farto conjunto de provas colhidas na investigação policial – cenário que levou o tribunal a concluir que, caso fosse solto, o acusado poderia cometer novos crimes e atrapalhar a instrução criminal. "Ademais, considerando que o pedido se confunde com o próprio mérito da impetração, deve-se reservar ao órgão competente a análise mais aprofundada da matéria por ocasião do julgamento definitivo", concluiu o ministro ao indeferir o pedido liminar. O mérito do habeas corpus ainda será julgado pela Sexta Turma, sob a relatoria do ministro Nefi Cordeiro. 
13/01/2021 (00:00)
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitante nº  2208106
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.