Domingo
09 de Agosto de 2020 - 

Intranet

Clientes / Advogados

Notícias

Boletins

Assine e receba nossas atualizações jurídicas

Bolsas de Valores

Bovespa 0,92% . . .
Dow Jone ... % . . .
NASDAQ 0,02% . . .
França 0,43% . . .
Japão 1,86% . . .
S&P 500 0,31% . . .

Cotação de Câmbio

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,42 5,42
EURO 6,38 6,39
IENE 0,05 0,05
GUARANI 0,00 0,00
LIBRA ES ... 7,07 7,07
PESO (ARG) 0,07 0,07

Webmail

Institucional / Colaboradores

Previsão do tempo

Hoje - Brasília, DF

Máx
26ºC
Min
13ºC
Predomínio de

Segunda-feira - Brasí...

Máx
27ºC
Min
13ºC
Predomínio de

Mogi das Cruzes não poderá transferir recursos do Fundo de Direitos da Criança para conta do Tesouro Municipal

Medida contraria dispositivo do ECA.   A Vara da Infância e Juventude da Comarca de Mogi das Cruzes julgou procedente ação civil pública e condenou a Prefeitura Municipal de Mogi das Cruzes a se abster de utilizar o Fundo Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente, salvo em caso de expressa deliberação e autorização do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, com base em seu Plano de Ação para o ano de 2020. Consta nos autos que a Municipalidade, diante da pandemia de Covid-19, editou a Lei Municipal nº 7.568/2020 que, em seu artigo 2º, autoriza o Chefe do Poder Executivo a transferir recursos do Fundo Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente para Conta do Tesouro Municipal, priorizando seu uso em prol de crianças e adolescentes nas ações de combate à pandemia. Segundo o juiz Eduardo Calvert, porém, a norma contraria o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e a própria legislação municipal, segundo as quais cabe ao Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente gerir o Fundo.  O magistrado escreveu na sentença que o Município “usurpou a competência legislativa da União para estabelecimento sobre normas gerais de proteção à infância e juventude”. Para ele, a norma municipal recém-editada “padece de inconstitucionalidade formal”, por ser incompatível com o ECA. “Tendo em vista que o artigo 2º da Lei Municipal nº 7.568/2020 constitui o fundamento legal para que o Chefe do Poder Executivo Municipal transfira recursos do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente para Conta do Tesouro Municipal e, uma vez reconhecida a inconstitucionalidade formal do dispositivo legal, impõe-se a procedência dos pedidos do autor”, concluiu. Cabe recurso da sentença.   imprensatj@tjsp.jus.br   Siga o TJSP nas redes sociais: www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial    
31/07/2020 (00:00)

ENTRE EM CONTATO

Rua do Carmo  nº 7,  17º andar
-  Centro
 -  Rio de Janeiro / RJ
-  CEP: 20011-020
+55 (21) 98024-8595+55 (21) 3254-2373
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitante nº  1563788
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.