Sábado
18 de Setembro de 2021 - 

Intranet

Clientes / Advogados

Notícias

Boletins

Assine e receba nossas atualizações jurídicas

Bolsas de Valores

Bovespa 0,92% . . .
Dow Jone ... % . . .
NASDAQ 0,02% . . .
França 0,43% . . .
Japão 1,86% . . .
S&P 500 0,31% . . .

Cotação de Câmbio

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,31 5,31
EURO 6,23 6,23
IENE 0,05 0,05
GUARANI 0,00 0,00
LIBRA ES ... 7,30 7,31
PESO (ARG) 0,05 0,05

Webmail

Institucional / Colaboradores

Previsão do tempo

Hoje - Brasília, DF

Máx
31ºC
Min
17ºC
Predomínio de

Domingo - Brasília, D...

Máx
33ºC
Min
16ºC
Predomínio de

Hoje - Niterói, RJ

Máx
30ºC
Min
21ºC
Parcialmente Nublado

Domingo - Niterói, RJ

Máx
25ºC
Min
20ºC
Predomínio de

Hoje - São Paulo, SP

Máx
31ºC
Min
17ºC
Parcialmente Nublado

Domingo - São Paulo, ...

Máx
26ºC
Min
18ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
30ºC
Min
21ºC
Parcialmente Nublado

Domingo - Rio de Janei...

Máx
24ºC
Min
22ºC
Predomínio de

EPM promove o curso ‘Efetividade da jurisdição em pauta’

Luciano Timm foi o expositor do encontro inaugural. Com um debate sobre o tema “Justiça multiportas”, teve início na segunda-feira (2) o curso Efetividade da jurisdição em pauta da Escola Paulista da Magistratura (EPM), coordenado pelos juízes Alexandre Jorge Carneiro da Cunha Filho, Ana Carolina Miranda de Oliveira, Cynthia Thomé, Felipe Albertini Nani Viaro, Thiago Massao Cortizo Teraoka e Vanessa Ribeiro Mateus. O painel inaugural teve como expositor o professor Luciano Benetti Timm. “A temática não poderia ser de maior atualidade, porque fizemos em um espaço de tempo recorde uma migração para uma forma de trabalho, mas existem vários desafios para que isso de fato resulte em uma melhoria do serviço e em uma aproximação da atividade jurisdicional de toda a sociedade”, afirmou o diretor da EPM, desembargador Luis Francisco Aguilar Cortez, na abertura dos trabalhos. O juiz Alexandre Cunha agradeceu o apoio da direção da Escola e ponderou que o momento é de discutir a efetividade das instituições como um todo, destacando as mudanças provocadas pela crise sanitária global decorrente da pandemia, a crise econômica, a insatisfação da população com a qualidade dos serviços públicos e com as condições de vida no Brasil e em outros países e a falta de perspectivas, com aumento da cobrança por maior eficiência das instituições e das políticas públicas. Ele enfatizou a sensação de que se trabalha cada vez mais no Judiciário sem que se alcance o resultado esperado, que é a pacificação dos problemas da sociedade, e a necessidade do pensamento estratégico para conferir maior efetividade à jurisdição e evitar as ondas de litígios que chegam ao Judiciário. Na coordenação do painel, a juíza Vanessa Mateus, presidente da Associação Paulista de Magistrados (Apamagis), agradeceu o apoio da direção da EPM, dos demais coordenadores e servidores da Escola e explicou que a ideia do curso é mostrar a importância da contribuição de outras áreas do conhecimento, como a Economia, a Psicologia Comportamental e a governança, para a efetividade da aplicação do Direito e da jurisdição. “O propósito é transformar as discussões em medidas efetivas de aplicação, mediante apresentação de projetos de lei, notas técnicas ou contribuições para alteração ou consolidação de entendimentos jurisprudenciais que possam resultar em melhoria na condução dos processos e da Justiça”. Em relação ao tema do painel, lembrou que a noção de hegemonia da ação judicial como solução para os conflitos teve como consequência um Judiciário que produz como nunca e ações que continuam aumentando exponencialmente. “A Justiça multiportas visa analisar qual das soluções é a mais adequada para o problema apresentado, como opção à ação judicial, de maneira a melhorar o tratamento da questão, trazer efetividade da jurisdição e melhorar o sistema e o sentimento de Justiça absorvido pela população”, frisou. Luciano Timm observou inicialmente que o Brasil é um caso único no mundo em termos de litigância, em razão do volume de processos, o que poderia ser um sinal de acesso à Justiça, mas discutível em termos de política pública. Ele ressaltou que os profissionais do Direito são treinados para resolverem problemas, mas não dilemas de políticas públicas, o que exige ferramentas como a estatística e uma perspectiva multidisciplinar. Ele lembrou que o sistema multiportas abrange várias formas de solução de disputas e que a política pública deveria incentivar as pessoas a optarem, ponderando que deveriam começar por negociação, inclusive pelo alto custo do Judiciário. “Para que as pessoas utilizem essas outras portas, é necessário um desenho de incentivos comportamental e isso não acontece porque não fazemos política pública no Direito e tentamos resolver problemas complexos, que deveriam ser baseados em evidências, com conceitos aferrados a dogmas”, ponderou. Nesse sentido, como incentivos para o uso de outros métodos de solução de conflitos, sugeriu a exigência de comprovação de pretensão resistida antes de usar o sistema público e maior aplicação da litigância de má-fé. Também participaram do evento os juízes Bruno Ronchetti de Castro, assessor da Presidência da Seção de Direito Criminal do TJSP, e Carlos Alexandre Böttcher, coordenador do Comitê Gestor de Orçamento e de Priorização do Primeiro Grau do TJSP, palestrantes do curso, entre outros magistrados, servidores e outros profissionais. imprensatj@tjsp.jus.br   Siga o TJSP nas redes sociais:  www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial 
05/08/2021 (00:00)
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitante nº  3223624
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.