Domingo
09 de Agosto de 2020 - 

Intranet

Clientes / Advogados

Notícias

Boletins

Assine e receba nossas atualizações jurídicas

Bolsas de Valores

Bovespa 0,92% . . .
Dow Jone ... % . . .
NASDAQ 0,02% . . .
França 0,43% . . .
Japão 1,86% . . .
S&P 500 0,31% . . .

Cotação de Câmbio

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,42 5,42
EURO 6,38 6,39
IENE 0,05 0,05
GUARANI 0,00 0,00
LIBRA ES ... 7,07 7,07
PESO (ARG) 0,07 0,07

Webmail

Institucional / Colaboradores

Previsão do tempo

Hoje - Brasília, DF

Máx
26ºC
Min
13ºC
Predomínio de

Segunda-feira - Brasí...

Máx
27ºC
Min
13ºC
Predomínio de

31/07/2020 - 11h35Acusado de feminicídio vai a júri popularCrime aconteceu no ano passado no Bairro Santa Amélia, em BH

Toda a ação, no dia do crime, foi acompanhada pelo acusado, segundo a denúncia do MP; réu vai aguardar o julgamento preso. O juiz sumariante do 1º Tribunal do Júri de Belo Horizonte, Marcelo Rodrigues Fioravante, pronunciou o réu R.V.N., acusado de matar a namorada de 21 anos no Bairro Santa Amélia, região da Pampulha, na capital. A data do júri popular ainda não foi definida pela Justiça. O crime ocorreu em dezembro do ano passado, na Rua Alair Marques Rodrigues, quando dois homens entraram no escritório da vítima, perguntaram por ela e a mataram com um tiro no rosto. Os dois executores agiram, segundo o Ministério Público (MP), a mando do namorado da jovem. O casal tinha um filho e mantinha relacionamento amoroso havia três anos. A quebra de sigilo telefônico da vítima revelou as desavenças e a intenção dela de colocar fim ao namoro. Inconformado com o término, o rapaz arquitetou o assassinato. Toda a ação, no dia do crime, foi acompanhada pelo acusado, segundo a denúncia do MP. O mandante também teria auxiliado os executores na fuga, quando eles embarcaram no carro conduzido pelo então namorado da vítima. Pouco antes do assassinato, ele fez contato com a namorada, via aplicativo WhatsApp, dizendo que um despachante lhe entregaria um documento e solicitou que ela abrisse o estabelecimento comercial. A mulher foi surpreendida e morta com um tiro. Motivo torpe O réu será julgado por um júri popular. O juiz Marcelo Fioravante o pronunciou por homicídio, praticado contra a mulher, por motivo torpe, com dissimulação, tendo ele concorrido e organizado o crime, com corrupção de menor e adulteração de veículo automotor. O réu vai aguardar o julgamento preso. Acompanhe o processo 0024.19.095.627-6.  
31/07/2020 (00:00)

ENTRE EM CONTATO

Rua do Carmo  nº 7,  17º andar
-  Centro
 -  Rio de Janeiro / RJ
-  CEP: 20011-020
+55 (21) 98024-8595+55 (21) 3254-2373
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitante nº  1564072
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.