Sexta-feira
03 de Julho de 2020 - 

Intranet

Clientes / Advogados

Notícias

Boletins

Assine e receba nossas atualizações jurídicas

Bolsas de Valores

Bovespa 0,92% . . .
Dow Jone ... % . . .
NASDAQ 0,02% . . .
França 0,43% . . .
Japão 1,86% . . .
S&P 500 0,31% . . .

Cotação de Câmbio

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,30 5,30
EURO 5,96 5,96
IENE 0,05 0,05
GUARANI 0,00 0,00
LIBRA ES ... 6,61 6,61
PESO (ARG) 0,08 0,08

Webmail

Institucional / Colaboradores

Previsão do tempo

Hoje - Brasília, DF

Máx
26ºC
Min
14ºC
Predomínio de

Sábado - Brasília, D...

Máx
26ºC
Min
14ºC
Predomínio de

Hoje - Niterói, RJ

Máx
23ºC
Min
15ºC
Parcialmente Nublado

Sábado - Niterói, RJ

Máx
24ºC
Min
14ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - São Paulo, SP

Máx
21ºC
Min
11ºC
Parcialmente Nublado

Sábado - São Paulo, ...

Máx
22ºC
Min
12ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
23ºC
Min
15ºC
Parcialmente Nublado

Sábado - Rio de Janei...

Máx
24ºC
Min
14ºC
Parcialmente Nublado

29/06/2020 - 18h29Dona de bar pagará indenização por poluição sonoraA decisão tem como objetivo compensar os danos ambientais

A proprietária do bar também foi proibida de realizar eventos musicais e sonorização ambiente sem alvará da Prefeitura A 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), condenou a dona de um bar na cidade de Mariana a pagar uma indenização de R$2 mil por poluição sonora. A proprietária foi proibida também de realizar eventos com a utilização de som mecânico, música ao vivo ou sonorização ambiente, sem licenciamento da Prefeitura. O valor da indenização será destinado ao Fundo Estadual dos Direitos Difusos (Fudif), com objetivo de compensar os danos ambientais.  Em 2009, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) recebeu um abaixo assinado contra o funcionamento do bar, por causa do alto volume da máquina de música utilizada pelo estabelecimento.  O MP entrou então com uma ação civil pública contra a dona do imóvel, alegando que o som em alto volume causava poluição sonora e ofendia o direito da coletividade. Em Primeira Instância, ficou decidido, pela juíza Marcela Oliveira Decat de Moura, que a dona do bar ficaria proibida de utilizar o som e fazer shows ao vivo sem o documento de liberação, emitido pelo município, sob pena de multa de R$10 mil.   Ao recorrer da sentença, o MP alegou que a magistrada se baseou apenas nas obrigações de não fazer, e ignorou uma condenação pecuniária. Ressaltou também que o caso em questão deriva-se do princípio do poluidor-pagador, que responsabiliza o agente que produz a poluição e outras formas de degradação ambiental pela compensação dos eventos lesivos que desencadeou, trazendo uma obrigação de pagamento.   O relator do processo no TJMG, desembargador Maurício Soares, destacou em seu voto que ficou comprovado que o estabelecimento comercial já havia sido autuado pela prefeitura de Mariana por causa da altura do som e que este fato afetava toda a comunidade próxima, configurando o dano moral coletivo.   Para fixar o valor da indenização, o magistrado levou em conta a localização do imóvel, que fica em um bairro simples, e as poucas posses da proprietária.  A desembargadora Albergaria Costa e a juíza de direito convocada Luzia Peixoto votaram de acordo com o relator.   Consulte movimentação do processo 1.0400.09.039780-5/001 e acórdão.  
29/06/2020 (00:00)

ENTRE EM CONTATO

Rua do Carmo  nº 7,  17º andar
-  Centro
 -  Rio de Janeiro / RJ
-  CEP: 20011-020
+55 (21) 98024-8595+55 (21) 3254-2373
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitante nº  1351237
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.