Quinta-feira
05 de Agosto de 2021 - 

Intranet

Clientes / Advogados

Notícias

Boletins

Assine e receba nossas atualizações jurídicas

Bolsas de Valores

Bovespa 0,92% . . .
Dow Jone ... % . . .
NASDAQ 0,02% . . .
França 0,43% . . .
Japão 1,86% . . .
S&P 500 0,31% . . .

Cotação de Câmbio

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,21 5,21
EURO 6,17 6,17
IENE 0,05 0,05
GUARANI 0,00 0,00
LIBRA ES ... 7,25 7,25
PESO (ARG) 0,05 0,05

Webmail

Institucional / Colaboradores

Previsão do tempo

Hoje - Brasília, DF

Máx
23ºC
Min
14ºC
Parcialmente Nublado

Sexta-feira - Brasíli...

Máx
24ºC
Min
13ºC
Predomínio de

Hoje - Niterói, RJ

Máx
22ºC
Min
18ºC
Parcialmente Nublado

Sexta-feira - Niterói...

Máx
23ºC
Min
19ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - São Paulo, SP

Máx
22ºC
Min
9ºC
Parcialmente Nublado

Sexta-feira - São Pau...

Máx
22ºC
Min
10ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
22ºC
Min
18ºC
Parcialmente Nublado

Sexta-feira - Rio de J...

Máx
23ºC
Min
19ºC
Parcialmente Nublado

21/07/2021 - 12h13Magistrada do TJMG ministra palestra sobre violência contra mulherCibele Barroso, da Comarca de Itabira, abordou o tema em live promovida pelo Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais

A magistrada do TJMG, Cibele Barroso, abordou em sua palestra os vários tipos de violência contra a mulher (Foto: Divulgação/TJMG) A juíza titular da 2ª Vara Criminal da Comarca de Itabira, Cibele Barroso, ministrou palestra sobre violência contra mulher, nessa terça-feira (20/7), em live promovida pelo Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais (CRF-MG). A palestra faz parte do programa Minas de Superação – Doses de Força e Competência, iniciativa que pretende prevenir e colaborar para o enfrentamento dos casos de violência contra a mulher. O programa conta com o apoio do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, por meio da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (Comsiv), e visa conscientizar e capacitar farmacêuticos de todo o estado a promover os direitos da mulher. A iniciativa do CRF-MG deverá ser adotada pelo Conselho Federal de Farmácia que pretende expandi-lo para o resto do país. “Quero parabenizar o Conselho Regional de Farmácia pela iniciativa. Quem dera se todas as classes profissionais se preocupassem com um problema tão sério, que atinge as mulheres, independente de classe social”, disse a juíza Cibele Barroso. De acordo com ela, a violência contra as mulheres tem origem em uma sociedade machista e patriarcal, como a brasileira, e que só agora começa a despertar para um problema tão sério, que já provocou a morte de milhares de mulheres nos últimos anos. Para a magistrada, existem vários tipos de violência contra a mulher, como a moral, física, sexual, psicológica, patrimonial e econômica. “Muitas vezes a violência é invisível, mas também deixa marcas em todas as mulheres”. A juíza afirma que a violência contra as mulheres ocorre de persas maneiras, não se limitando em ações explícitas. “Uma mulher sofre violência quando o marido decide qual o corte de cabelo ela vai usar ou quando tem que escolher um tipo de roupa para não ser assediada na rua”, exemplifica a magistrada. Ainda em sua palestra, a juíza Cibele Barroso abordou a Lei Maria da Pena, de 2006, considerada uma grande conquista das mulheres brasileiras. “Maria da Penha é uma farmacêutica do Ceará, que era casada com um economista e professor universitário, e que foi vítima de tentativa de assassinato, praticada pelo próprio marido, conta a magistrada. Para a juíza, a Lei Maria da Pena trouxe conquistas para as mulheres pois dispõe de medidas protetivas que podem salvar vidas. “É uma lei que visa diminuir a disparidade de gêneros que existe no Brasil, um país extremamente machista e patriarca. Muitas mulheres teriam sido salvas se a lei existisse há mais tempo”, afirma. Pilares Há 12 anos trabalhando com violência doméstica, o 1º sargento da Polícia Militar de Minas Gerais, Webert Meneses, lotado na Sessão de Direitos Humanos da PMMG e especialista em Direito Militar e Humanitário, destaca que a violência contra a mulher está alicerçada em vários pilares. Contudo, ele lamenta que apenas a violência física é levada em conta pela sociedade. “A violência psicológica é uma das mais perversas, pois destrói a autoestima da mulher e, para muitos, sequer é classificada como violência de fato”, diz o militar. A delegada da Polícia Civil de Minas Gerais e especialista em violência contra a mulher, Amanda Machado Celestino, relata que desde o início de sua carreira, há oito anos, na Zona da Mata Mineira e Região Leste de Minas Gerais, ela estuda e trabalha com o tema. “A violência contra a mulher exige da justiça um olhar diferenciado porque são crimes recorrentes e ocorrem dentro de um lar, formando uma espiral de forma crescente, com pequenos abusos, e podendo chegar a crimes mais graves”, afirma a policial.    A live, que pode ser assistida no canal do CRF-MG na plataforma YouTube, por meio do endereço https://www.youtube.com/watch?v=ZpIc0V7zTgk, teve a coordenação da integrante da Comissão da Mulher do Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais, Elaine Batista.  .Assessoria de Comunicação Institucional – Ascom Tribunal de Justiça de Minas Gerais – TJMG (31) 3306-3920 imprensa@tjmg.jus.br instagram.com/TJMGoficial/ facebook.com/TJMGoficial/ twitter.com/tjmgoficial flickr.com/tjmg_oficial  
21/07/2021 (00:00)
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitante nº  3043497
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.