Sábado
05 de Dezembro de 2020 - 

Intranet

Clientes / Advogados

Notícias

Boletins

Assine e receba nossas atualizações jurídicas

Bolsas de Valores

Bovespa 0,92% . . .
Dow Jone ... % . . .
NASDAQ 0,02% . . .
França 0,43% . . .
Japão 1,86% . . .
S&P 500 0,31% . . .

Cotação de Câmbio

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,17 5,17
EURO 6,28 6,28
IENE 0,05 0,05
GUARANI 0,00 0,00
LIBRA ES ... 6,96 6,97
PESO (ARG) 0,06 0,06

Webmail

Institucional / Colaboradores

Previsão do tempo

Hoje - Brasília, DF

Máx
32ºC
Min
20ºC
Pancadas de Chuva

Domingo - Brasília, D...

Máx
29ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva

Hoje - Niterói, RJ

Máx
27ºC
Min
24ºC
Pancadas de Chuva a

Domingo - Niterói, RJ

Máx
26ºC
Min
24ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - São Paulo, SP

Máx
24ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva a

Domingo - São Paulo, ...

Máx
20ºC
Min
18ºC
Chuva

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
27ºC
Min
24ºC
Pancadas de Chuva a

Domingo - Rio de Janei...

Máx
26ºC
Min
24ºC
Pancadas de Chuva a

19/10/2020 - 16h38Tribunal de Justiça cassa decisão de júri em UberabaAcusado de matar a amante foi absolvido e será julgado novamente pelo júri popular

  Decisão da 7ª Câmara Criminal do TJMG anulou julgamento realizado na Comarca de Uberaba A 7ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) anulou a decisão de um júri popular realizado em Uberaba. Na ocasião, os jurados absolveram um homem acusado de matar a amante, que estava grávida. “Se a decisão proferida pelo Conselho de Sentença se apresenta inidônea, manifestamente contrária à prova dos autos, deve o acusado ser submetido a novo julgamento”, decidiu a 7ª Câmara Criminal. A denúncia do Ministério Público narra que o acusado, A.L.M.S., vivia em união estável com A.C.F.O. e iniciou um relacionamento extraconjugal com D.A.O., que acabou por engravidar. Consta ainda na denúncia que, em 13 de setembro de 2017, D. se dirigiu até a casa do amante, onde se iniciou uma discussão entre os três. O homem acabou esfaqueando D. e, em seguida, a companheira dele a enforcou com uma corda.  Ainda de acordo com a denúncia, sem se preocuparem em saber se a vítima estava ou não morta, os acusados a envolveram em um saco plástico, cavaram uma cova no quintal da casa e ali esconderam o corpo. O cadáver só foi descoberto em 15 de junho de 2018, após a Polícia Civil receber uma denúncia anônima.    Em relação ao homem, o Conselho de Sentença do Tribunal do Júri da Comarca de Uberaba reconheceu a materialidade e a autoria do delito de ocultação de cadáver, mas o absolveu da prática de homicídio. Decisão contrária às provas  O Ministério Público recorreu ao Tribunal, questionando a absolvição do homem por homicídio. Ao analisar os autos, o relator, desembargador Agostinho Gomes de Azevedo, cassou a decisão do júri e determinou a realização de um novo julgamento. Segundo o magistrado, os jurados votaram no sentido contrário às provas colhidas na fase probatória. O desembargador ressaltou as versões diferentes que o acusado apresentou na fase de inquérito e na fase judicial, sendo que em nenhuma foi de encontro aos quesitos respondidos pelos jurados. Destacou também relatos de testemunhas e concluiu: “Há que se dar nova oportunidade à sociedade de Uberaba, através do veredito popular, em reapreciar por derradeiro o presente caso”. Os desembargadores Sálvio Chaves e Calmon Nogueira da Gama votaram de acordo com o relator.   Confira a decisão e a movimentação processual.  
19/10/2020 (00:00)
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitante nº  2052101
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.