Quarta-feira
23 de Setembro de 2020 - 

Intranet

Clientes / Advogados

Notícias

Boletins

Assine e receba nossas atualizações jurídicas

Bolsas de Valores

Bovespa 0,92% . . .
Dow Jone ... % . . .
NASDAQ 0,02% . . .
França 0,43% . . .
Japão 1,86% . . .
S&P 500 0,31% . . .

Cotação de Câmbio

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,43 5,43
EURO 6,36 6,36
IENE 0,05 0,05
GUARANI 0,00 0,00
LIBRA ES ... 6,91 6,91
PESO (ARG) 0,07 0,07

Webmail

Institucional / Colaboradores

Previsão do tempo

Hoje - Brasília, DF

Máx
27ºC
Min
20ºC
Pancadas de Chuva

Quinta-feira - Brasíl...

Máx
28ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva pe

Hoje - Niterói, RJ

Máx
25ºC
Min
20ºC
Chuva

Quinta-feira - Niteró...

Máx
25ºC
Min
20ºC
Chuvas Isoladas

Hoje - São Paulo, SP

Máx
18ºC
Min
14ºC
Chuva

Quinta-feira - São Pa...

Máx
25ºC
Min
16ºC
Possibilidade de Chu

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
25ºC
Min
20ºC
Chuva

Quinta-feira - Rio de ...

Máx
25ºC
Min
20ºC
Chuvas Isoladas

14/09/2020 - 18h21Júri de Salinas condena homem por lesão corporalCrime de homicídio foi rejeitado; pena será de quatro anos

  Cumprindo protocolos de saúde e segurança, sessão do júri desclassificou crime de homicídio O Tribunal do Júri de Salinas, nesta segunda (14/09), aceitou a tese da defesa e considerou que Alan Pereira dos Santos, em lugar de homicídio qualificado, cometeu lesão corporal seguida de morte do mecânico Gustavo Alexandre de Lima. O julgamento, iniciado às 9h, observou as orientações sanitárias e a Portaria Conjunta da Presidência 1025/2020, tendo sido concluído às 15h16. Tanto o Ministério Público como os advogados do réu já manifestaram que não pretendem recorrer. Para os jurados, ficaram comprovados o delito e a autoria, mas não como descrito na denúncia. Assim, o crime de homicídio qualificado foi desclassificado, pois a maioria dos integrantes do júri popular entendeu que o agente não pretendia o resultado, nem assumiu o risco de produzi-lo. O juiz Marcelo Bruno Duarte Araújo, que presidiu o júri e arbitrou a pena, salientando que a decisão do júri é soberana, condenou o réu a quatro anos de reclusão em regime aberto. De acordo com o magistrado, o fato de agredir a vítima em pleno dia e em local público era desfavorável ao réu, pois ele mostrou desinteresse com a segurança dos demais presentes. Contudo, o juiz Marcelo Araújo levou em conta a atenuante da confissão espontânea. Na sentença, ele também determinou a expedição de alvará de soltura de Alan, que estava preso desde 17 de junho deste ano, e autorizou que ele recorra em liberdade. A pena já cumprida deverá ser abatida do total fixado. De acordo com a denúncia do Ministério Público, em 22 de novembro de 2019, no Posto União, localizado na zona rural de Padre Carvalho/MG, o réu foi de moto ao posto de gasolina onde a vítima trabalhava, sacou a arma de fogo e disparou três vezes contra ele, por não se conformar com o envolvimento do mecânico com a ex-namorada dele. Acompanhe a movimentação.    
14/09/2020 (00:00)

ENTRE EM CONTATO

Rua do Carmo  nº 7,  17º andar
-  Centro
 -  Rio de Janeiro / RJ
-  CEP: 20011-020
+55 (21) 98024-8595+55 (21) 3254-2373
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitante nº  1750713
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.