Segunda-feira
23 de Setembro de 2019 - 

Intranet

Clientes / Advogados

Notícias

Boletins

Assine e receba nossas atualizações jurídicas

Webmail

Institucional / Colaboradores

10/09/2019 - 16h45Condenado a mais de 136 anos homem que estuprava criançasAs cinco vítimas relataram que réu oferecia doces, dinheiro e as ameaçava

Vara Especializada em Crimes contra Crianças e Adolescentes de BH (Vecca), onde são julgados casos como estupro de vulnerável Foi condenado a 136 anos, 8 meses e 24 dias de reclusão o acusado J.B.G.S., por ter praticado o crime de estupro contra cinco crianças menores de 14 anos de idade, o chamado estupro de vulnerável. A sentença foi proferida em 2 de setembro, e o réu foi preso hoje, dia 10. De acordo com a denúncia oferecida pelo Ministério Público, a esposa do réu tinha por hábito cuidar de crianças na residência do casal, sendo que ele se aproveitava de momentos em que estava sozinho com elas para violentá-las sexualmente. A história veio à tona quando a mãe de uma das meninas viu uma foto de sua filha com a vagina à mostra na galeria do celular e a questionou sobre o motivo. Foi então que ela contou o que ocorria na casa do marido de sua tia. Uma das vítimas relatou que, para consumar os delitos, o réu oferecia-lhe doces e dinheiro. Outras vítimas disseram que o denunciado se aproximava das menores quando elas estavam dormindo. Há, ainda, informações de que ele ameaçava as crianças, dizendo que mataria suas mães caso contassem sobre a violência sofrida. Uma delas inclusive chegou a ser empurrada do terceiro andar da casa quando ameaçou falar sobre o abuso. Materialidade e autoria Em audiência, o réu negou os fatos. Mas a juíza da Vara Especializada em Crimes contra Crianças e Adolescentes de Belo Horizonte (Vecca), Marixa Fabiane Lopes Rodrigues, ao proferir a sentença condenatória, reconheceu a materialidade e a autoria em todos os crimes narrados na denúncia e aplicou, ainda, o concurso material entre os delitos. Juíza Marixa Fabiane Lopes Rodrigues foi a autora da condenação De acordo com ela, o crime encontra-se devidamente comprovado nos autos através dos boletins de ocorrência, dos depoimentos inquisitoriais, da escuta especializada, bem como da prova oral colhida nas audiências de instrução e julgamento, em que ficou evidenciado que as vítimas foram, de fato, submetidas à violação sexual. Diante da pluralidade de vítimas e da notícia nos autos de que ele teria, em tese, violentado sexualmente outras crianças e adolescentes, a magistrada decretou a prisão preventiva do réu, tendo negado a ele o direito de recorrer em liberdade, para garantir ordem pública e assegurar a aplicação da lei penal. “Ressalto que reprimenda alguma, por maior que seja, será capaz de reparar o abissal dano causado às pobres jovens que foram vítimas das atrocidades perpetradas pelo denunciado. Contudo, não posso ser silente e deixar tal pessoa andar em liberdade, porque receio que venha a praticar os mesmos atos em face de outras crianças e adolescentes que, talvez, não terão a mesma sorte de sair com vida. A mim, enquanto magistrada, compete tomar as providências necessárias para impedir que qualquer outra criança/adolescente venha a ser violentada novamente pelo condenado, que demonstrou que, caso permaneça solto, virá a delinquir novamente, diante da pluralidade assustadora de crimes sexuais por ele cometidos”, declarou a juíza. Por ser de primeira instância, a decisão está sujeita a recurso.  
10/09/2019 (00:00)
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitante nº  276408
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.