Sexta-feira
07 de Agosto de 2020 - 

Intranet

Clientes / Advogados

Notícias

Boletins

Assine e receba nossas atualizações jurídicas

Bolsas de Valores

Bovespa 0,92% . . .
Dow Jone ... % . . .
NASDAQ 0,02% . . .
França 0,43% . . .
Japão 1,86% . . .
S&P 500 0,31% . . .

Cotação de Câmbio

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,34 5,34
EURO 6,33 6,34
IENE 0,05 0,05
GUARANI 0,00 0,00
LIBRA ES ... 7,02 7,02
PESO (ARG) 0,07 0,07

Webmail

Institucional / Colaboradores

Previsão do tempo

Hoje - Brasília, DF

Máx
23ºC
Min
12ºC
Predomínio de

Sábado - Brasília, D...

Máx
24ºC
Min
13ºC
Predomínio de

Hoje - Niterói, RJ

Máx
25ºC
Min
18ºC
Predomínio de

Sábado - Niterói, RJ

Máx
26ºC
Min
19ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - São Paulo, SP

Máx
25ºC
Min
12ºC
Predomínio de

Sábado - São Paulo, ...

Máx
25ºC
Min
13ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
25ºC
Min
18ºC
Predomínio de

Sábado - Rio de Janei...

Máx
26ºC
Min
19ºC
Parcialmente Nublado

03/07/2020 - 18h30Tratorista morre em acidente de trabalho e filho é indenizadoJovem vai receber R$ 50 mil do Município de Córrego de Bom Jesus

O Município de Córrego de Bom Jesus foi condenado a indenizar em R$ 50 mil, por danos morais, o filho de um operador de trator. O pai do jovem sofreu um acidente enquanto conduzia o veículo e morreu. A decisão é da 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), que reformou parcialmente a sentença. Município deixou de ofertar o mínimo de segurança no trabalho, sendo assim responsável pela morte do tratorista O jovem contou que seu pai prestava serviço de motorista ao município por contrato de trabalho. No dia do acidente, ele dirigia um trator e, ao realizar uma manobra de marcha a ré, caiu em uma valeta de mais de dez metros de profundidade e o veículo parou sobre seu corpo. Ele sustentou que o município deixou de ofertar ao seu pai o mínimo de segurança no trabalho, sendo assim responsável pela sua morte. Por isso, pediu pelo reconhecimento do vínculo empregatício e requereu a condenação por danos morais e materiais na forma de pagamento de pensão, até ele completar 25 anos. O município alegou que não havia vínculo de emprego, pois o motorista não tinha sido aprovado em concurso público e tinha apenas contrato de prestação de serviço, o que significa que a atividade é realizada por conta e risco do contratado. Além disso, relatou que o acidente ocorreu por culpa exclusiva da vítima, que não teve a atenção necessária ao manobrar o trator. Portanto, não haveria responsabilidade de sua parte e, na hipótese de haver culpa concorrente, município e motorista teriam colaborado para o trágico evento. Sentença Em primeira instância, o juiz entendeu que o Município de Córrego de Bom Jesus deveria reparar os danos causados pela exposição de seus prestadores de serviço a risco de vida. Determinou o pagamento de R$ 100 mil por danos morais e uma pensão mensal de 1/3 do salário mínimo ao jovem, desde a morte de seu pai até ele completar 25 anos de idade. Os valores em atraso deveriam ser pagos em parcela única, devidamente atualizada. Recurso O município recorreu, afirmando que o falecido não agiu com a atenção necessária ao manobrar o maquinário, mesmo sabendo da existência de uma valeta. Completou, ainda, que o prestador de serviço estava ciente das condições do local, então cabia a ele ser atencioso na realização de sua função. Também argumentou que a indenização deve observar o grau de culpa de cada parte, a qual deveria ser reduzida, ao menos, em 50% do seu valor. Alegou que houve demora na busca da reparação e que, sendo o município de pequeno porte, a quantia afetaria consideravelmente suas finanças. Sobre os danos materiais, disse que a fixação da pensão de forma retroativa fere o Código Civil. Culpa do município Para o relator, desembargador Maurício Soares, o valor da pensão, que se refere aos danos materiais, se mostra razoável e compatível com a condição econômica que o pai do jovem tinha. Em relação aos danos morais, o magistrado entendeu que deve ser levado em conta que a ação é contra um município de pequeno porte, por isso o valor deveria ser reduzido para R$ 50 mil. “O município faltou com o dever de cuidado ao permitir que o serviço fosse prestado em local perigoso, não tendo sido comprovada a existência de qualquer proteção ou sinalização, apta a afastar sua responsabilidade pelo ocorrido. Com efeito, não há qualquer elemento nos autos que evidencie a suposta desatenção do falecido ao executar a manobra que resultou no acidente”, afirmou o relator. A juíza convocada Luzia Peixôto e a desembargadora Albergaria Costa votaram de acordo com o relator. Consulte o acórdão na íntegra e acompanhe o caso.  
03/07/2020 (00:00)

ENTRE EM CONTATO

Rua do Carmo  nº 7,  17º andar
-  Centro
 -  Rio de Janeiro / RJ
-  CEP: 20011-020
+55 (21) 98024-8595+55 (21) 3254-2373
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitante nº  1552891
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.